Publicidade

Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina

Termos de uso:

Muitas matérias e fotos são retiradas da Internet. Se você detém algum direito autoral sobre algum material, entre em contato conosco que eu o removerei ou colocarei os devidos créditos. Obrigado!

Dicas sobre fraudes na internet

0 comentários
Scam: golpe ou ação enganosa que normalmente objetiva vantagens financeiras. Para identificá-lo quando fizer compras on line, desconfie de preços muito abaixo dos praticados em mercado e faça uma pesquisa em vários sites, e se puder pergunte ao vendedor do site porque estão praticando preços tão baixos.

Antecipação de pagamento (advance free fraud): normalmente é solicitado que você atue como intermediário de uma transferência internacional de fundos e, como recompensa, você deve ficar com uma porcentagem (normalmente alta), sobre o valor mencionado na mensagem. O golpe se dá quando é solicitado que você deposite uma quantia, normalmente bem elevada, para arcar com os custos da transferência de fundos.

É chamado de Nigerian 4-1-9 scam, que se refere ao artigo do código penal nigeriano, embora haja casos oriundos de diversos paises como África do Sul. No Brasil, ferem o art 171 co CP.

São identificadas por tratarem de quantias astronômicas identificadas por palavras como “urgent” ou “confidential” em letras maiúsculas.

Phishing: usada no sentido de isca (fishing), e-mails utilizados para induzir o usuário a entrar em páginas fraudulentas e pescar dados financeiros ou senhas. Pode induzir o usuário a instalar códigos maliciosos ou apresentam formulários para preenchimento de dados pessoais e financeiros dos usuários.

Páginas falsificadas: são utilizadas técnicas de ofuscamento da página real, identificáveis se, antes de acessar o usuário passar o cursor do mouse sobre o link e observar o real endereço na barra de status do navegador.

Observe se o endereço digitado permanece inalterado no momento em que o conteúdo do site e apresentado no seu browser.

Verifique se o certificado exibido foi emitido para a instituição que deseja acessar, se consta o endereço, o nome e o prazo de validade do respectivo certificado.

Se desconfiar ter sido lesado, entre em contato com a instituição envolvida, informe-se sobre a ocorrência e siga as instruções passadas por eles.

Procure uma delegacia de policia e registre um boletim de ocorrência se tiver sido vítima de fraude na Internet.

Escrever em linguagem de Internet vicia?

2 comentários

Ainda não há nenhuma pesquisa séria para saber se as redações de escola ou outros textos produzidos fora da internet foram contaminados com "vc", "axim", "naum"... Mas muitos especialistas acreditam que a galera consegue deixar o "internetês" só no mundo virtual. "Os jovens não confundem, não. Eles sabem que essa linguagem econômica só é adequada para os ambientes digitais", diz a lingüista Maria Irma Hadler Coudry, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Um bom indício dessa percepção rolou aqui mesmo na mundo estranho. Na edição de julho deste ano, perguntamos aos leitores: "Vc axa q a próxima secaum Internet deveria ser escrita desse jeito, tipo msn?" A enquete teve quase 2 mil votos, e 56% da galera decidiu que "naum" - ou melhor, não. "A língua escrita não vai acabar. O que pode acontecer é surgir uma outra variedade, como o ‘internetês’, mas a língua culta e essas variedades vão continuar convivendo", diz Maria Irma. Nada impede, porém, que a "linguagem msn" influencie a língua portuguesa. A palavra "você", por exemplo, surgiu a partir de seguidas abreviações da expressão "vossa mercê", que passou primeiro para "vossemecê", depois para "vosmecê", até chegar à forma atual, aceita na boa na linguagem escrita. Será que um dia essa história não termina num "vc"?

A última do português

Nosso idioma já passou por duas grandes reformas ortográficas e se prepara para a terceira

ALFABETO ENXUTO

A reforma ortográfica de 1943 eliminou o K, o W e o Y da língua portuguesa. Além disso, quem escrevia até então "theatro", "commercio" e "pharmacia", por exemplo, passou a escrever "teatro", "comércio" e "farmácia". A reforma buscou aproximar o português aqui do Brasil do português de Portugal, que já tinha feito sua reforma em 1911.

MUDANÇA POUCo ACENTUADA

Uma nova reforma ortográfica ocorreu em 1971, mas foi bem menos radical. Ela basicamente decretou o fim do acento circunflexo diferencial nas letras "e" e "o". Ahn!? Não entendeu nada? A gente explica: é que até 1971, seu avô e sua avó escreviam "côr" e "êle". Hoje, você manda direto "cor" e "ele", sem os acentos circunflexos.

TERCEIRA VIA

Muita gente não sabe, mas desde 1990 rola o projeto de uma nova reforma ortográfica. A idéia é que ela sirva para unificar a língua dos oito integrantes da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP). Até agora, essa terceira reforma - que pode tirar o trema de "tranqüilo" e o hífen de "pára-quedas" (que ainda perderia o acento) - não saiu do papel.

10 ferramentas úteis do Google

0 comentários

Tem dias que parece que o Google está trabalhando duro para alcançar seu objetivo de organizar a informação do mundo, tornando mais fácil para nós encontrar o que precisamos. Outros dias, porém, parece que a companhia planeja dominar o mundo todo. E com um código de conduta que inclui a direção do "não seja mau", talvez isso não seja necessariamente uma coisa ruim.

Não há como negar - o Google é uma potência da Internet. Ele é uma presença tão influente na Internet que quando o Yahoo! fez parceria com o Google para colocar o Google Ads na página de resultados de busca do Yahoo!, as pessoas começaram a se preocupar que o Google monopolizaria o negócio de publicidade nos mecanismos de busca. Até o Congresso americano começou a questionar a aliança. O Google com certeza percorreu um longo caminho - a companhia cresceu de uma porção de computadores conectados casualmente em uma garagem para uma corporação global que vale bilhões de dólares.

O backbone para os negócios do Google é seu mecanismo de busca, mas ele não é o único serviço que a empresa oferece. Dê uma pequena mergulhada no site do Google e você vai topar com tudo - de aplicações de produtividade a cliente de mensagens instantâneas. O Google desenvolveu alguns desses produtos e recursos em casa, mas em alguns casos, os produtos do Google começaram como projetos independentes criados por outras companhias. Se os executivos do Google vêem uma aplicação interessante que ajude a companhia a atingir seus objetivos, há uma chance de o Google fazer uma oferta para comprar aquela empresa.

Parece que o Google está relutante em promover muitos de seus projetos de versões beta - lançamentos inicias que pode ainda ter problemas com funcionalidade - para produtos completos. Até o Gmail, o cliente de e-mail do Google lançado em 2004 só saiu do beta em meados de 2009. Mas algumas das iniciativas da companhia estão menos finalizadas que outras. O Google permite que os usuários testem serviços experimentais no site do Google Labs, mas admite que os serviços "não estão prontos para a estreia".


Vamos mergulhar direto no mundo diversificado dos produtos Google. Começaremos dando uma olhada no Gmail.

1 - GmailEm 2004, um comunicado de imprensa do Google revelou que a companhia não estava satisfeita em dominar as buscas na internet - a segunda atividade online mais popular. O Google queria morder o maior serviço online na Internet: o e-mail. Isso colocado, o Google anunciou que permitiria que um seleto número de pessoas testasse o seu serviço de web-mail chamado Gmail.

O Gmail começou como um serviço de e-mail interno do Google. Quando o Google decidiu tornar o Gmail disponível para pessoas de fora da empresa, optou por uma abordagem gradual. Primeiro, a única maneira de conseguir uma conta no Gmail era receber um convite de alguém. Quase três anos depois de anunciar o Gmail, o Google abriu o acesso ao público em geral. Agora, qualquer pessoa pode criar uma conta no Gmail.O Gmail organiza mensagens em conversas. Se alguém envia uma mensagem e você responde, o Gmail vai aparesentar as duas mensagens juntas, em cascata. O e-mail original aparece no topo e sua resposta, logo abaixo dele. Mensagens futuras vão aparecer sob as originais, que o Gmail recolhe para que não tomem muito espaço na tela. Ao agrupar mensagens e respostas juntas, o Gmail torna mais fácil para os usuários acompanhar as várias discussões de uma só vez. Mas o grande pulo do gato do Gmail nem é mais o agrupamento de e-mails trocados, e sim o filtro antispam. Muito pouco lixo eletrônico - cerca de 5% do que chega - ultrapassa filtro que o Google desenvolveu para o Gmail. Eles vão direto para a pasta de Spam - e lá ficam até que o usuário resolva apagá-las para sempre ou que o Google o faça automaticamente após 30 dias.Algumas pessoas acham que a comunicação por e-mal está morrendo (ou já morreu). O Google parece ter uma resposta a isso também: o GTalk, ou Google Talk.

2 - GTalkJusto quando você pensava que a Internet já tinha atingido sua cota de clientes de mensagens instantâneas, aparece o Google Talk. Lançado em 2005, o Google Talk é uma aplicação que permite aos usuários enviar mensagens instantâneas. Ao contrário do Gmail, o GTalk não é inteiramente baseado na Web. Os usuários precisam primeiro baixar uma aplicação para seus computadores para ter acesso ao seu conjunto completo de recursos. Esses recursos vão além de simples mensagens. Você pode enviar arquivos ilimitados - de tamanho ilimitado também - para outros usuários. Apenas lembre-se de que se você escolher enviar um arquivo grande para alguém, vai demorar um tempo para transferir para outro usuário, especialmente sobre conexões mais lentas. Também, se você tem um um limite para transferência de dados em sua rede, você pode ter de pagar uma taxa extra ao seu provedor de acesso, caso ultrapasse esse limite.O Google Talk é também um cliente VoIP (voz sobre IP). Isso significa que você pode fazer chamadas PC a PC com outros usuários do GTalk. Você e seu contato precisam ter microfones e fones de ouvidos ou alto-faltantes, mas o GTalk lida com o resto. A transmissão de voz em tempo real pode tomar bastante da largura de banda da sua conexão. Assim como as transferências de arquivos, você corre o risco de ultrapassar sua cota de dados com seu provedor de acesso se usar demais a função VoIP do GTalk. Usuários também podem fazer o download do gadget Google Talk, uma aplicação baseada em Web que permite aos usuários acessar muitas - mas não todas - as funções do GTalk de um website pessoal, como um blog, ou do iGoogle, a página personalizada do Google (veja o item 8 desta lista). Isso significa que você pode usar qualquer computador conectado à Internet para usar o GTalk.Isso praticamente cobre comunicação. O que mais o Google pode organizar? Que tal as compras na Internet?

3 - Google CheckoutMuitas pessoas fazem compras pela Internet. Um dos problemas das compras online envolve a transmissão de suas informações pessoais pela Internet. Se você quiser comprar itens em de diferentes sites, tem de entrar todas as suas informações múltiplas vezes. O Google viu uma oportunidade para criar uma ferramenta que permitiria aos lojistas e aos usuários tirar vantagem de um sistema de checkout universal. Veja como funciona: primeiro você cria uma conta Google. Se já tiver uma, você vai precisar completar seus dados, fornecendo número de cartão de crédito, endereço de cobrança, endereço de entrega e número de telefone. Após completar esse passo, você pode ir às compras.Tudo o que você tem de fazer é logar-se no Google e procurar por websites inscritos no Google Checkout. Quando você vir o símbolo do checkout listado ao lado de um resultado da busca na página de resultados, você saberá que pode comprar itens daquele site usando sua conta Google. Você terá de digitar sua senha do Google Checkout, mas não terá de entrar com informações de cartão de crédito ou pessoais novamente. Você seleciona o que quiser e o Google lida com o restante da transação. O lojista nunca vê o número do seu cartão de crédito. O Google Checkout é gratuito para os consumidores. Lojistas, porém, têm de pagar 2% mais 20 centavos de dólar por venda feita. Mas o Google dá um desconto para os lojistas que usam o Google AdWords. Para cada dólar que um lojista gasta por mês com publicidade no AdWords, o Google processa US$ 10 dólares de venda sem cobrar comissão.O Google também oferece produtos projetados para ajudá-lo a organizar sua vida.

4 - Google CalendarEm Abril de 2006, o Google lançou uma aplicação online gratuita chamada Google Calendar. Se você tem uma conta Google, então pode criar um calendário Google. Se você não tem, pode registrar-se gratuitamente.Você pode usar o Google Calendar para agendar eventos e convidar pessoas para participar. Ao compartilhar pastas, você pode comparar sua agenda com a de outros usuários. Se todos mantiverem seus calendários atualizados, é fácil evitar conflitos. Um único usuário pode abrir múltiplos calendários e visualizar todos os eventos agendados em uma única janela. Já que isso pode ficar confuso, o Google exibe cada evento do calendário em uma cor diferente. O Google inclui o seu recursos de busca dentro do sistema do Google Calendar. Você pode buscar por calendários específicos. Os donos dos calendários podem escolher mantê-los privados ou compartilhá-los abertamente com todos. Também é possível criar múltiplos calendários com uma conta. Isso pode ser ótimo para organizações que têm bases múltiplas de consumidores. Por exemplo, um teatro deve ter um calendário para o público geral que mostra os horários das apresentações e um segundo calendário para os atores, para que eles saibam sobre as agendas de testes e ensaios.


Outro produto Google que está ganhando popularidade é a suíte de produtividade que você normalmente encontra no software de escritório para desktop.

5 - Google DocsA suíte Google Docs marca a tentativa do google de entrar no jogo online dos softwares de produtividade. A suíte gratuita inclui um processador word, um editor de planilha de cálculos e uma aplicação de apresentação. Em resumo: ela tem as aplicações básicas que qualquer negócio precisa. Em vez de salvar todos os seus dados no disco rígido do seu computador, você salva seus arquivos Google Docs em um siste de arquivos Google remoto. Como os arquivos estão hospedados na Web, você pode acessá-los de qualquer computador conectado à Internet. Seus documentos não ficam amarrados a um dispositivo específico.Outro recurso do Google Docs é sua habilidade de compartilhar documentos e capacidade de edição com outros usuários Google. Várias pessoas podem editar o mesmo documento ao mesmo tempo. Com aplicações desktop tradicionais, um gerente de projeto pode ter de lidar com várias cópias do mesmo arquivo, já que vários colaboradores editam e fazem adições ao documento. Com o Google Docs, todos podem fazer suas mudanças diretamente no arquivo salvo nos servidores do Google. O Google Docs também faz o rastreamento das versões anteriores do documento - gerentes de projetos não têm de se preocupar com o fato de alguém apagar acidentalmente uma seção inteira.Um problema do Google Docs é que nenhuma das aplicações é tão robusta quanto as de suítes de produtividades como o Office, da Microsoft. Se você precisa apenas de funcionalidades básicas, o Google Docs pode ser últil. Mas se você estiver acostumado a criar documentos, planilhas e apresentações com todos os penduricalhos, provavelmente você vai querer manter o software tradicional.


Estamos na metade do caminho. Talvez você esteja se sentindo meio perdido com todos esses produtos e recursos.

6 - Google Maps O Google lançou deu recurso de mapa online em 2005, quase dez anos depois da estreia online do MapQuest. Como o seu competidor, o Google Maps deixa que o usuário visualize mapas de regiões específicas e trace rotas de um endereço para outro. O Google Maps permite que os usuários visualize mapas de ruas, mapas de terrenos topográficos e até vistas de satélites. Para algumas áreas, o Google também tem um recurso de mapa de tráfego, que pode alertar o usuário para engarrafamentos e congestionamentos.


O Google Maps se baseia nas imagens digitais da Navteq. A Navteq fornece os dados de mapas para diversos clientes, incluindo sistemas de navegação veicular. Uma companhia chamada deCarta - ex-Telcontar - fornece as aplicações que alimentam os recursos de mapeamento. Os empregados do Google criar as aplicações que combinam as imagens da Navteq com as capacidades de mapeamento da deCarta para criar os recursos que você vê no Google Maps.Em 2008, o Google adicionou um novo recurso ao Google Maps: você pode obter rotas a pé de um lugar para outro. Anteriormente, o Google Maps só exibia rotas para veículos, o que precisava considerar as mãos das ruas. Agora os usuários pode encontrar o caminho a pé mais curto entre dois pontos.Às vezes as decisões do Google não vão tão bem quanto o esperado. O recurso de visão da rua (Google Street View), para o Google Maps é um exemplo. O Google montou câmeras especiais em carros, e enviou-os para as ruas de várias cidades dos EUA e da França. As câmeras apontavam em diferentes direções e tiravam fotos a cada poucos segundos, dando aos usuários o vista do nível da rua de certas cidades. Mas algumas pessoas dizem que o Google estavam violando a privacidade. O Google respondeu borrando o rosto das pessoas nas fotos para proteger suas identidades.O Google Maps está intimamente ligado a uma suíte de produtos do Google chamada Google Earth. Vejamos a seguir.

7 - Google Earth O Google está sempre buscando novas maneiras de organizar e apresentar informação. Uma dessas formas é adicionar metadados de identificação geográfica para vários meios, como sites, RSS feeds ou imagens. Esse processo é chamado de geomarcação (geotagging ou geocoding) - uma maneira de ligar informação a uma localização no mundo real. Você pode ver informação geomarcada em um mapa. Já que o Google Maps serve como uma maneira de prover informações desse tipo para os usuários, o Google decidiu sair com uma alternativa: o Google Earth.


Em 2005, o Google adquiriu uma empresa chamada Keyhole, que construiu a fundação para o Google Earth, um globo digital que deu aos usuários um outro ponto de vista da Terra. Eles podem afastar e aproximar as vistas da Terra de uns poucos metros da superfície até a órbita do planeta. O Google Earth dá ao usuário uma porção de escolhas, da visualização de imagens de satélite do planeta a mapas híbridos, recursos de terrenos e vistas tridimensionais de uma cidade inteira.O Google Earth também permite que os desenvolvedores criem aplicações para linkar informações de locais específicos no globo. Usuários podem escolher visualizar a informação geomarcada de notícias gerais a dados personalizados. O Google Earth torna isso possível para ilustrar notícias de um novo jeito. Por exemplo, uma agência de notícias poderia ilustrar uma história sobre incêndios florestais usando imagens do Google Earth da área danificada. Originalmente, a única forma de os usuáros acessarem o Google Earth era baixar uma aplicação e instalá-la em seus computadores. A aplicação acessa a Internet para obter a última informação e as atualizações, mas o computador do usuário hospeda a maioria dos recursos da aplicação. Em 2008, o Google lan;cou uma nova aplicação Google Earth que é inteiramente baseada na Web. Mas como a versão completa do Google Earth precisa de muitos recursos de computação para funcionar corretamente, a versão baseada na Web é uma variação enxuta com menos recursos que seu parente para desktop.Quando os executivos do Google dizem que querem organizar a informação do mundo, eles não estão brincando. E eles não querem parar somente na Web - eles querem organizar também a sua informação. É aí que entra o Google Desktop,que veremos a seguir.

8 - Google Desktop Você já teve de procurar um arquivo específico no seu computador? E algum e-mail que está em algum lugar entre as milhares de mensagens recebidas? A experiência pode ser frustrante, e aqueles de nós que desafiados a ser organizados podem despender muito esforço ao tentar achar um pedaço de informação.


É aí que o Google Desktop pode ser útil. É uma aplicação Google que pode ser baixada gratuitamente. Uma vez instalado, o Google Desktop trabalha. Ele busca e indexa os arquivos do computador do usuário no tempo ocioso, quando o computador não está trabalhando com outras coisas. Ele não apenas indexa o nome do arquivo - como também busca o conteúdo. Talvez você não se lembre do assunto do -email, mas lembra-se que mencionou algo sobre um novo restaurante japonês na cidade. Você pode procurar pelo termo "sushi" usando o Google Desktop e ele vai retornar resultados relevantes a esse termo. Os resultados se parecem muito com a página de resultados que o Google gera para a buscas na Web. Um desses resultados deve ser o e-mail que você precisa recuperar.O Google Desktop também dá aos usuários a opção de intalar gadgets personalizados do Google. Os gadgets recuperar informação na Web e aprensenta-a em uma janela que fica no desktop do usuário. A informação pode incluir dados do clima e do trânsito, feeds de notícias ou listas to-do, entre outras coisas.Se o Google Desktop não reúne informação suficiente da maneira que você gosta, você empre pode criar uma página especializada do Google, que pode puxar informação de aplicações de centenas de fontes. Essa é a idéia por trás do iGoogle, que nós veremos a seguir.

9 - iGoogleVocê provavelmente tem um pequeno número de sites ou aplicações que usa mais que outras. E se você tivesse uma forma de juntar esses sites, de modo que pudesse ir a um só lugar na web e acesso todos eles de uma vez? Este é o conceito por trás do iGoogle, um agregador - ou portal de serviços Web - gratuito.


O serviço iGoogle permite que usuários selecionem múltiplas aplicações e feeds de notícias da Internet. Cada usuário pode personalizar sua própria página iGoogle. Por exemplo, fãs de esportes podem adicionar aplicações que coletem os últimos resultados e estatísticas de seus times favoritos e exibi-los em uma janela dedicada na página iGoogle.O Google permite que os usuários organizem suas próprias páginas iGoogle usando um conjunto simples de ferramentas. Uma dessas ferramentas é uma série de abas no topo da página. Os usuários podem criar abas para categorias específicas de aplicações ou de feeds de notícias. Isso torna mais fácil para os usuários encontrar a informação que eles querem quando eles a querem. Uma vez que o usuário configura sua página iGoogle, a aplicação faz o resto do trabalho.Apesar de você poder escolher incluir aplicações como Gmail, Google Calendar, GTalk e Google Docs na sua página iGoogle, você não está limitado apenas às ferramentas Google, Desenvolvedores terceirizados criaram aplicações iGoogle que permitem que o usuário acesso muitos dos diferentes programas baseados em Web. Com a aplicação certa instalada no iGoogle, você pode acessar coisas como:

Outro tipo de informação que você pode acessar - e compartilhar - no iGoogle são suas fotos através do Picasa, o último item da nossa lista de ferramentas Google.

10 - Picasa e Picasa Web Albums Criado originalmente pela incubadora de negócios Idealab, o Picasa é um software para organização e edição de fotografia digital que foi comprado pelo Google em 2004. Ele está integrado ao Picasa Web Albums, um aplicativo online de compartilhamento de imagens. Usuários de Windows, Mac OSX e Linux podem baixar o programa gratuitamente, mas para usar o Web Albums é necessário criar uma conta no Google.


Uma vez instalado, o Picasa indexa todas as imagens e vídeos existentes no computador, exibindo-as em um painel do lado esquerdo da tela, por pasta, embaixo dos álbuns que podem ser criados facilmente. O software importa imagens e vídeos de vários dispositivos, como câmera digital, memory key, telefone celular e micro de mão, reconhecidos automaticamente. O usuário tem a opção de excluir os arquivos duplicados, assim o programa só baixa do dispositivo as imagens novas, acelerando o processo de importação.O software permite que o usuário faça correções básicas (corte, contraste, brilho, cor, retoque, luz), ajuste fino (luz, sombra, cor) e aplicação de efeitos (ênfase, sépia, preto e branco, granulação, saturação, brilho e degradê). Permite também criar selecionar várias fotos e criar uma colagem.Como o negócio do Google é organizar informações, as semelhanças com outros softwares de edição de imagens param por aí. O Picasa está totalmente integrado com o Picasa Web Albums e com o Blogger, ferramenta de publicação de blogs do Google. Os álbuns que você cria no Picasa podem ser exportados automaticamente para a Web, para o seu blog ou por e-mail (seja Gmail, seja qualquer outro). O grande barato, no entanto, é a organização das fotos por tags, o que facilita na hora de buscar aquela foto daquela pessoa. Você pode legendar as imagens, geomarcá-las ou usar o recurso de reconhecimento facial. O Picassa faz isso automaticamente tanto a partir do programa instalado na máquina do usuário quanto no álbum de fotos criado na Web. Você clica no botão de criação de tags, e o programa varre a sua biblioteca e agrupa as fotos por rosto. Assim, em vez de marcar cada foto individualmente, você o faz por grupos. O processo pode demorar um pouco, dependendo da quantidade de imagens existentes na sua biblioteca.

O problema do Picasa, porém, está no seu consumo de memória. E ele consome bastante. Por isso, não espere que sua máquina responda rápido se você estiver usando o Picasa e rodando, ao mesmo tempo, os aplicativos da suíte Office, o Internet Explorer com várias janelas abertas, ou ainda o seu cliente de e-mail.